Está a utilizar um navegador não suportado.
Algumas funcionalidades deste site podem não funcionar corretamente. Para optimizar a sua experiência, visualize este site no Chrome, Firefox, Safari ou Edge.

SARS-CoV-2

Informação sobre o teste
Início / Testes / Infeções Associadas aos Cuidados de Saúde / Xpert C. difficile BT

Xpert® C. difficile BT

Deteção de Clostridioides difficile em cerca de 45 minutos

Xpert<sup>®</sup> <em>C. difficile </em>BT

A necessidade


A incidência e a gravidade das infeções por C. difficile (ICD) têm vindo a aumentar, estando associadas ao aumento do tempo de internamento hospitalar, dos custos, da morbilidade e da mortalidade.2

  • As estirpes altamente virulentas (027-NAP1-BI) causaram surtos de doença grave na Europa e na América do Norte3
  • A toxina binária (BT) poderá ser importante porque:
    • está associada tanto à gravidade como ao resultado da doença;4
    • Há estirpes, como a 033, que são positivas apenas para a toxina binária e não para as toxinas A e B e, no entanto, causaram ICD5,6
       

Custos incrementais associados à infeção por C. difficile7

 

A solução


As ICD em doentes hospitalizados tornaram-se num encargo considerável e crescente, levando à necessidade de uma deteção precoce e precisa.

Xpert® C. difficile BT permite:

  • A identificação rápida deC. difficile produtor de toxina em cerca de 45 minutos
  • Ampla cobertura com vários alvos, incluindo: toxina B (tcdB), toxina binária (cdtA), e a deleção no tcdC na base 117 associada à estirpe do ribotipo 027, um preditor de ICD graves e mortalidade8
  • Administração rápida e otimizada de terapêutica favorecendo uma melhoria na evolução dos pacientes9
  • Iniciativas de controlo atempado de infeções de modo a reduzir a disseminação da infeção10
  • Eficiências de laboratório com fluxos de trabalho a pedido que exijam um tempo de intervenção mínimo e a não repetição do teste1,11

O impacto


Respostas a pedido, em qualquer local e em qualquer momento sempre que os seus doentes necessitem de cuidados

(1) Casari E, et al. Reducing rates of Clostridium difficile infection by switching to a stand-alone NAAT with clear sampling criteria. Antimicrob Resist Infect Control. 2018 Mar;7(40).
(2) European Hospital and Healthcare Federation (HOPE). Relatório sobre ICD na Europa 2013: Clostridium difficile infection in Europe. FDX/12/0082/EU.
(3) Marujo V, et al. The largely unnoticed spread of Clostridioides difficile PCR ribotype 027 in Germany after 2010. IPIP. 2020 Dec;2(4):100102.
(4) Stewart D, et al. Predicting recurrence of C. difficile colitis using bacterial virulence factors: binary toxin is the key. J Gastrointest Surg. 2013 Jan;17(1):118-24.
(5) Eckert C, et al. Prevalence and pathogenicity of binary toxin-positive C. difficile strains that do not produce toxins A and B. New Microbes New Infect. 2014 Nov;8(3):12-7.
(6) Androga G, et al. Evaluation of the Cepheid Xpert C. difficile/Epi and meridian bioscience illumigene C. difficile assays for detecting Clostridium difficile ribotype 033 strains. J Clin Microbiol. 2015 Mar;53(3):973-5.
(7) Tresman R & Goldenberg S. Healthcare resource use and attributable cost of Clostridium difficile infection: a micro-costing analysis comparing first and recurrent episodes. J Antimicrob Chemother. 2018 Oct;73(10):2851-2855.
(8) Rao K, et al. C. difficile ribotype 027: relationship to age, detectability of toxins A or B in stool with rapid testing, severe infection, and mortality. Clin Infect Dis. 2015 Jul 15;61(2):233-41.
(9) Peppard W, et al. Implementation of polymerase chain reaction to rule out C. difficile infection is associated with reduced empiric antibiotic duration of therapy. Hosp Pharm. 2014 Jul;49(7):693-43.
(10) Schroeder L, et al. Economic evaluation of laboratory testing strategies for hospital-associated Clostridium difficile infection. JCM. 2014 Feb;52(2):489.
(11) Following C. difficile sampling guidance detailed in: McDonald L, et al. Clinical Practice Guidelines for Clostridium difficile Infection in Adults and Children: 2017 Update by the Infectious Diseases Society of America (IDSA) and Society for Healthcare Epidemiology of America (SHEA). Clin Infect Dis. 2018 Apr;66(7):e1–e48.CATALOG INFORMATIONXpert® C. difficile BT10 testsGXCDIFFBT-CE-10

Informações para encomendas


Xpert® C. difficile BT

Número de testes: 10

N.º de catálogo: GXCDIFFICILE-CE-10

Xpert® C. difficile BT

Número por embalagem: 120

N.º de catálogo: SDPS-120

Xpert® C. difficile BT

Número de zaragatoas: 50

N.º de catálogo: 900-0370
Voltar ao topo
Powered by Translations.com GlobalLink OneLink SoftwarePowered By OneLink